A guerra não tem rosto de mulher

Será que a guerra não tem rosto de mulher? O título deste post é uma referência ao livro de mesmo nome. Continue a leitura para conhecer a obra e confira a sinopse de filmes sobre mulheres em tempo de guerra.

Ei, eu não vou explicar feminismo para os leitores homens do Blog da Monique. Você é um homem sofisticado do século 21 que adora cozinhar, cuidar dos filhos e sabe que chorar num momento de tristeza não vai diminuir você.

Não precisa que eu dê um sermão — porque você não está pendurado na barra de um ônibus tentando tirar uma casquinha da moça ao lado. 

Você tem irmãs, mães, amantes — amigas e colegas — e nunca se aproximou de nenhuma para humilhá-las.

Você tem olhos. Você sabe o que está acontecendo lá fora. Você notou que enquanto a sociedade fica feliz por um homem envelhecer, o mesmo não acontece com as mulheres.

Você conhece a disparidade salarial: são 20% a menos de dinheiro para as mulheres neste país.

Você sabe que os bebês saem das vaginas e que isso dói demais. 

Sabe que, quando um homem não quer ter responsabilidade pelo filho, simplesmente o ignora. Você não é mau caráter. Você é um homem bom. 

Você assistiu ao noticiário e ficou triste ao saber que o Brasil é o país que mais mata pessoas trans. 

Então, não. Eu não vou explicar feminismo pra você.

É o século 21 e você, com certeza, não é um idiota.

Você gosta que as mulheres tenham os mesmos direitos que os homens — que é tudo o que o feminismo significa. 

Você não é o tipo de cara que se sente intimidado por namorar uma mulher inteligente. 

Você entende que, quando falamos de masculinidade tóxica, não estamos falando de você. Você é apenas um homem. Você não é o Homem.

Da mesma forma, quando falamos sobre o patriarcado, também não é você. Você não é o patriarcado. Você é apenas… você.

Lembre-se que o patriarcado está chateando você tanto quanto está nos prejudicando. Você tem três vezes mais chances de cometer suicídio. 

Feminismo é sobre resolver tudo isso. 

 


SIGA O BLOG DA MONIQUE NAS REDES SOCIAIS:

.

 

A guerra não tem rosto de mulher

Pelo menos 800.000 mulheres serviram nas forças armadas soviéticas durante a Segunda Guerra Mundial – como atiradoras de elite, pilotos, cozinheiras e cirurgiãs. No entanto, suas vozes raramente foram ouvidas. As entrevistas para este livro foram realizadas nas décadas de 1970 e 1980.

Alexievich, uma escritora bielorrussa, recebeu o Prêmio Nobel de Literatura de 2015 por um tipo de literatura que ela descreve como “a história da alma”. Ela entrevistou dezenas de testemunhas da história como um meio de explorar a catástrofe da guerra.

As mulheres oferecem detalhes tocantes e íntimos sobre seus serviços – por exemplo, receber botas e roupas muito grandes, a vergonha de ter que usar peças íntimas masculinas e administrar a menstruação, encontrar amor e a capacidade de sentir empatia pelas crianças alemãs famintas após a guerra.

Elas revelam como tiveram que implorar a seus oficiais masculinos para permitir que chegassem à linha de frente. Assim que dominaram suas tarefas, os homens ficaram surpresos com o que podiam fazer e os alemães ficaram horrorizados ao saber que muitos dos franco-atiradores eram mulheres.

10 grandes filmes sobre mulheres em tempos de guerra

1. Sra. Miniver (1942)

Diretor: William Wyler

Sra. Miniver (1942)

Enquanto o campo de batalha transformou os meninos em homens, a propriedade abandonada transformou as meninas em Madonas. Uma celebração do lábio superior inglês e da resistência da instituição da família, a sra. Miniver foi um marco cultural fundamental para reunir o apoio americano para o esforço de guerra.

A titular Kay Miniver (Greer Garson) que, como melhor atriz, ganhou um dos seis Oscars do filme, é uma dona de casa de quarenta e poucos anos que conhecemos enquanto ela está correndo freneticamente por uma rua comercial, dominada pelo desejo de comprar um chapéu caro. Em uma narrativa familiar, a Sra. Miniver é uma mulher complacente e frívola que até a guerra não conhece nada além do mundo das sutilezas do chá e das festas de caridade.

No final do filme, os estragos da guerra atingiram toda a sua família e ela é transformada na Madonna por excelência dos tempos de guerra, descrita no trailer contemporâneo como uma “mulher valente cujo amor e devoção protegem sua família do mais cruel ataque de devastação. já visitou a humanidade”.

2. Milhões como nós (1943)

Diretores: Sidney Gilliat e Frank Launder

Milhões Como Nós (1943)

Parte filme de propaganda, parte história de amor, Milhões Como Nós é um filme raro sobre mulheres trabalhadoras de fábrica durante a Segunda Guerra Mundial.

Explora como a responsabilidade coletiva de contribuir para o esforço de guerra alterou todas as vidas comuns, desmantelando velhos preconceitos de classe e provando a verdade dos sentimentos de Churchill de que a guerra não seria vencida apenas por “poucos”, mas através do suor e do trabalho árduo do povo.

Celia (Patricia Roc), a mais comum das garotas, tem sua vida doméstica resguardada e mundana virada de cabeça para baixo por um telefonema da Bolsa de Trabalho, convocando-a para trabalhar em uma fábrica de componentes de aeronaves.

À medida que o romance floresce com um colega de trabalho na fábrica e um anel de casamento é garantido, a transformação de Celia está completa – nasce uma esposa humilde e trabalhadora.

2. Roma, Cidade Aberta (1945)

Diretor: Roberto Rossellini

Roma, Cidade Aberta (1945)

Pina (Anna Magnani) e Marina (Maria Michi) são Roma, os opostos femininos de Cidade Aberta, representando os efeitos maculados da guerra no epicentro da vida familiar italiana – a mulher.

Marina, a femme fatale da peça, afunda em devassidão bêbada, corrompida por um caso lésbico com uma oficial alemã para delatar seu próprio povo. Pina, por outro lado, é uma figura virtuosa de Madonna cuja gravidez ilegítima e uma morte humilhantemente pública são mostradas para representar os efeitos perversos e espoliadores da guerra.

Tão difundida era a imagem de Pina e seu vergonhoso fim que quando o governo italiano comemorou o 50º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial, produziu um selo que retratava a cena da morte de Pina como o emblema definidor da dor brutal daquele período.

4. Esculpir seu nome com orgulho (1958)

Diretor: Lewis Gilberto

Esculpir seu nome com orgulho (1958)

Violette é uma mulher cuja força emocional como esposa e mãe é igualada apenas por sua destreza física no mundo masculino da guerra. Virginia McKenna, que interpretou Violette, descreveu seu papel como um dos mais desafiadores de sua carreira.

Ela dá um retrato extraordinariamente matizado, passando com facilidade de esposa e mãe obediente a uma colaboradora ambiciosa, desafiadora e corajosa para o esforço de guerra.

O mais impressionante é a complexidade crível na apresentação da feminilidade de Violette, onde sua excitação pela compra de alta costura parisiense cara não diminui sua lealdade absoluta e infalível ao seu país.

5. A Batalha de Argel (1966)

Diretor: Gillo Pontecorvo

A Batalha de Argel (1966)

Não menos honesta em seu retrato de mulheres, uma das cenas mais eficazes do filme vê três mulheres argelinas começarem a tirar seus véus e se transformarem em cabelos e vestidos europeus em preparação para um ato terrorista.

A direção de Pontecorvo desta cena central é uma exploração fantasticamente em camadas da subjetividade feminina e um desmantelamento de expressões de alteridade cinematográfica.

À medida que as mulheres se preparam para lançar bombas pela cidade, o dilema moral e emocional é claro e a centralidade da cena as confirma como principais contribuintes para o movimento de resistência.

6. Júlia (1977)

Diretor: Fred Zinnemann

Júlia (1977)

A história da melhor amiga de infância de Hellman, Julia, e seu ativismo no movimento antifascista é ambiguamente mapeada ao lado do processo de escrita de Hellman de sua famosa peça A Hora da Criança para um efeito emocionante.

No lançamento, a controvérsia perseguiu a veracidade da história de Hellman, mas pouco fez para afastar as telespectadoras, que responderam à apaixonada amizade feminina e à abundância de talentos femininos na tela.

Vanessa Redgrave como Julia, Jane Fonda como Hellman e a primeira aparição na tela de uma Meryl Streep de 26 anos em uma virada triunfante como sua ‘inimiga’ socialite vadia.

7. Buda desmoronou por vergonha (2007)

Diretor: Hana Makhmalbaf

Buda desmoronou por vergonha (2007)

Baktay, de seis anos, está determinada a ir para a escola. Vendendo ovos suficientes para comprar um caderno, ela enrola um lenço dourado na cabeça e, armada com o batom da mãe como caneta, vai para a escola.

No caminho, ela é atacada por um grupo de meninos que cobrem sua cabeça com uma bolsa marrom e tentam enterrá-la viva. Finalmente encontrando sua sala de aula, em seu retorno, ela encontra os mesmos meninos, mas desta vez parece saber como lidar com eles.

De alguma forma, durante a luta do dia, ela parece ter aprendido uma lição brutal sobre a feminilidade em seu mundo – se ela se fingir de morta, finalmente encontrará a paz.

 

 

 

 

 

 

 

Um comentário sobre “A guerra não tem rosto de mulher

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s