Pular para o conteúdo

O Talentoso Ripley Final Explicado

Nos últimos anos, uma onda de thrillers, dramas, comédias de humor ácido e estudos de personagens envolvendo pessoas queer em atividades criminosas tem conquistado os cinéfilos.

Por exemplo, O Talentoso Ripley, filme de 1999 que agora está disponível no catálogo da Netflix, tem as mesmas características que resultou no sucesso estrondoso de Saltburn.

O filme de Anthony Minghella, adaptado do romance homônimo de Patricia Highsmith, introduziu o personagem de Tom Ripley a uma nova geração e se transformou em um clássico.

O que você vai ler neste post:

  • O Talentoso Ripley Final Explicado
  • O que acontece em O Talentoso Ripley?
  • Por que Ripley mata Peter em vez de Meredith?
  • Ripley e Peter são namorados?
  • Como Ripley conseguiu escapar impune?
  • O que o final do filme diz sobre Tom Ripley?
  • Explicação O Talentoso Ripley
  • O que significa a cena final?

O Talentoso Ripley Final Explicado

Personagens do filme O Talentoso Ripley Final Explicado para o Blog da Monique
Personagens do filme O Talentoso Ripley Final Explicado para o Blog da Monique

Em O Talentoso Ripley, ambientado em 1958, acompanhamos Tom Ripley (Matt Damon), um nova-iorquino da classe trabalhadora contratado pelo magnata da navegação Herbert Greenleaf (James Rebhorn) para convencer o filho playboy, Dickie (Jude Law), a abandonar sua vida mediterrânea e voltar para os Estados Unidos.

Dickie se encanta por Ripley, introduzindo-o a um estilo de vida rico e despreocupado, enquanto Ripley se apaixona e fica obcecado por Dickie. No entanto, quando o pai desiste da missão e corta os fundos de Ripley, Dickie fica cansado de sua presença. Durante uma discussão acalorada a bordo de um barco, Ripley mata Dickie e afunda o corpo.

Assumindo a identidade de Dickie com suas habilidades de falsificação, Ripley convence a namorada de Dickie, Marge Sherwood (Gwyneth Paltrow), de que ele se mudou para Roma. Vivendo da mesada de Dickie, Ripley chama a atenção do amigo rico de Dickie, Freddie Miles (Philip Seymour Hoffman), que descobre a verdade e é morto por Ripley. Agora, Ripley está em um jogo de gato e rato com a polícia de Roma.

O que acontece em O Talentoso Ripley?

Conforme a investigação se intensifica, Ripley é forçado a abandonar a nova identidade e retornar à verdadeira persona. Ele forja uma nota de suicídio de Dickie confessando o assassinato de Freddie e foge para Veneza. Lá, encontra Margo e o amigo Peter Smith-Kingsley.

Apesar de alguns momentos de quase descoberta, Ripley consegue escapar da incriminação por pouco.

Quando Herbert chega a Veneza com o detetive particular Alvin MacCarron, eles informam a Ripley que a polícia acredita que Dickie matou Freddie e depois cometeu suicídio. Mesmo diante da insistência de Margo de que Ripley é o culpado, MacCarron e Herbert nunca consideram essa possibilidade.

Herbert até lega uma quantia significativa do fundo fiduciário de Dickie para Ripley, acreditando que era o desejo do filho. Parece que Ripley escapou impune de tudo que fez e parte em um navio de cruzeiro para a Grécia com Peter. No entanto, a bordo do navio, ele encontra Meredith Logue, uma socialite americana com quem teve um breve encontro como Dickie, a única ponta solta que resta.

Por que Ripley mata Peter em vez de Meredith?

Quando Ripley encontra Meredith no barco, é obrigado a assumir a antiga persona de Dickie. Ao descobrir que Meredith está acompanhada de toda a família, Ripley exagera, dando-lhe um beijo carinhoso – talvez imaginando que esse seria o comportamento de Dickie.

Mas isso resulta em uma consequência imediata: Peter testemunha o beijo e quer saber o que está acontecendo. Embora Ripley não hesite em matar para proteger sua identidade, escolhe matar Peter, a primeira pessoa em sua vida que demonstrou verdadeiro amor, em vez de Meredith, que nunca o conheceu como Ripley e não tem significado para ele.

Na trama, a resposta é clara: matar Meredith seria impraticável devido à presença da família, enquanto Peter está sozinho com Ripley e pode ser facilmente descartado. Isso destaca a engenhosidade e falta de escrúpulos de Ripley, enquanto também mostra sua profunda tortura emocional.

Ripley e Peter são namorados?

A grande ironia do desfecho do filme é que, depois de se envolver em uma trama complexa devido à obsessão não correspondida por Dickie Greenleaf, Tom Ripley se vê em um relacionamento romântico genuinamente amoroso, atencioso e compreensivo – o que sempre foi seu maior medo.

Ao longo da história, ele fingiu ser outra pessoa repetidamente, buscando constantemente a aprovação dos outros e temendo que, se alguém realmente o conhecesse, ficaria horrorizado e se afastaria.

Apesar disso, quando se apaixona por Peter e embarca em uma viagem romântica para a Grécia, fica claro que Peter é a única pessoa com quem Ripley se sente confortável sendo ele mesmo, ainda que mantenha segredos obscuros.

Peter aceita Ripley pelo que ele é, e sua relação contrasta com a conexão intensa e frágil entre Ripley e Dickie. Esse desenvolvimento sutil e natural do relacionamento entre Ripley e Peter cria um contraste poderoso com os eventos anteriores do filme, mostrando uma nova e genuína conexão emocional.

Como Ripley conseguiu escapar impune?

Antes que a aparição de Meredith comprometa todo o plano de Ripley, forçando-o a tomar medidas drásticas, ele experimenta brevemente a sensação de impunidade – algo que poderia ter mantido se tivesse conseguido evitar Meredith. Mas como as coisas parecem se desenrolar a seu favor, mesmo depois de todos os seus atos?

A resposta envolve uma série de fatores, alguns dos quais são habilmente manipulados por Ripley, enquanto outros são meramente coincidências. Sua habilidade em falsificar assinaturas e caligrafias torna impossível para a polícia distinguir entre ele e Dickie ao sacar dinheiro da conta bancária.

O gesto de rasurar a foto de Dickie em sua identidade, interpretado por Herbert como um sinal da instabilidade mental de Dickie, ajuda a ocultar a verdadeira identidade de Ripley. Além disso, o histórico de comportamento problemático de Dickie, incluindo o relacionamento turbulento com Silvania, facilita para a polícia acreditar que ele poderia ter cometido os crimes.

Um ponto importante é a determinação da família Greenleaf em proteger a reputação de Dickie, o que os impede de suspeitar de Ripley. No final, os Greenleafs agem desesperadamente para evitar qualquer investigação mais profunda, tornando difícil considerar a possibilidade de que outra pessoa seja responsável pelos crimes.

O que o final do filme diz sobre Tom Ripley?

Por que Tom Ripley, após quase ter sua farsa descoberta, opta por continuar a jornada pela Europa como se não houvesse nenhuma ameaça pairando sobre ele? Por que não escolhe ficar quieto e esperar a poeira baixar, ou então viajar discretamente para evitar qualquer responsabilidade futura?

A resposta é simples: Ripley não é uma máquina. Apesar de calcular cada movimento meticulosamente para garantir o sucesso de seus planos, uma parte dele cede ao desejo por algo diferente. Isso é evidenciado por sua decisão irracional de manter os anéis de Dickie, colocando tudo em risco, em vez de simplesmente descartá-los.

Além disso, consideremos o impulso momentâneo de confessar tudo a Marge, convidando-a para o apartamento de “Dickie” antes de reconsiderar. Apesar da habilidade em manipular situações, Ripley é atormentado pelo jogo que está jogando; uma parte dele deseja ser pego, deseja acabar com a farsa e viver uma vida autêntica.

Mesmo enquanto desfruta da liberdade e impunidade, há uma parte dele que busca uma vida normal, recusando-se a fazer concessões ou alterar seus planos. Parece que ele está testando os limites da sorte que o mundo lhe proporcionou, avaliando até onde pode chegar sem consequências.

Explicação O Talentoso Ripley

Embora a maior parte de O Talentoso de Ripley, dirigido por Anthony Minghella, siga de perto o romance de Patricia Highsmith, há uma diferença crucial no desfecho do filme.

No livro, após visitar um detetive particular em Veneza, Ripley viaja sozinho para a Grécia, convencido de que será eventualmente capturado.

No entanto, descobre que os Greenleafs aceitaram a versão da polícia e o incluíram na herança de Dickie. Assim, aparentemente livre de consequências imediatas, Ripley é atormentado pela paranoia, sempre temendo ser descoberto.

No filme, o desfecho é mais trágico e complicado legalmente para Ripley. Mesmo alcançando uma vida aparentemente perfeita, ele percebe que não pode escapar do peso de seus atos.

Seja na forma de ansiedade constante, como no romance, ou na ameaça de ser exposto, os assassinatos de Dickie, Freddie e Peter continuam a assombrá-lo, mostrando que a impunidade nunca é verdadeiramente alcançada quando se trata de crimes tão graves.

O que significa a cena final?

Na última cena de O Talentoso Ripley, Anthony Minghella opta por cortar a imagem de Ripley matando Peter, deixando apenas o som de sua interação final. A cena mostra Ripley retornando ao quarto, sentando-se na cama e encarando o vazio, ouvimos o som de Peter lutando para respirar enquanto Ripley chora em desespero.

Essa escolha de direção destaca o crescente sentimento de dissociação de Ripley em relação a si mesmo e à sua realidade. Visualmente, as últimas cenas são essenciais: Ripley está cercado por espelhos que refletem várias imagens dele mesmo, mas sua expressão permanece vazia e inacessível.

Ele, um mestre em interpretar diferentes personas, tornou-se uma casca vazia, desprovida de emoção genuína, apenas mantendo as aparências complexas pelas quais sacrificou tudo para manter.

O filme deixa em aberto a questão sobre a verdadeira natureza de Ripley e suas motivações. Ele não se encaixa no estereótipo do psicopata padrão do cinema. Embora tenha cometido assassinatos, suas ações são marcadas por um misto de calculismo e profundo desconforto emocional. Ripley demonstra remorso e vergonha, mas não permite que isso o impeça de agir de acordo com seus planos.

Aproveite para ler também:


Por Monique Gomes

Empreendedora digital, copywriter,
analista de SEO on-page, gestora de tráfego.