“É proibido casar, andar com homens ou ir à sorveteria”

Não andar na companhia de homens, não se casar, não passear pelas sorveterias do centro da cidade. Essas eram apenas algumas das exigências impressas no contrato de trabalho que as professoras assinavam para exercer o ofício nas escolas de São Paulo em 1923. A primeira regra é bem direta: “Não se casar. Este contrato ficará automaticamente anulado e sem efeito se a professora se casa”. Que fique claro: as regras se aplicavam às mulheres. Professoras.

Outra regra diz que a mulher deve “ficar em sua casa entre às 8h da noite e às 6h da manhã, a não ser que seja para atender a uma função escolar”. A sequência de Nãos é farta: não viajar em carruagem ou automóvel com qualquer homem – exceto seu irmão ou pai, não fumar, não beber.

Esse documento é um reflexo da sociedade da época e mostra o quanto a mulher foi segregada, o quanto ela se anulou para se encaixar aos padrões impostos pelo falso moralismo. É muito cômodo que uns tenham plena liberdade e privem uma minoria de fazer o mesmo. Sociedade patriarcal e hipócrita.

Outro dia um filme baseado em fatos reais me chamou a atenção. Grandes Olhos (2014) conta a história da pintora Margaret Keane, uma das artistas mais comercialmente rentáveis dos anos 1950 graças aos seus retratos de crianças com olhos grandes e assustadores. Seu marido assumiu a autoria das criações, enquanto ela pintava. Segregada como uma “coitada”, acreditando que uma mulher não tem valor, ela permitiu que ele continuasse mentindo tomando para si os créditos que eram dela. E assim Margaret se anulou por 10 anos. Muda. Sem poder explicar aos admiradores de seu trabalho o que a motivava a pintar aqueles olhos grandes… até o dia em que ela decidiu se empoderar.

Você já ouviu falar em EMPODERAMENTO FEMININO?

*** A palavra empoderar vem de ‘poder’. Significa tomar o poder para si, poder realizar algo, conduzir uma situação. Busca liberdade com responsabilidade. E escolhas definidas a partir da nossa própria percepção e valores. Ou seja: a resposta está em mim, e não no outro. Mesmo que este me ajude a decidir o que fazer, o lugar do protagonismo é meu. Isto é empoderamento! (conceitos retirados do blog: http://www.roteirobabycuritiba.com.br/mas-afinal-o-que-e-esse-tal-de-empoderamento-feminino/) .

Entender como funciona o Empoderamento Feminino é o primeiro passo para começar a prática-lo em casa, no trabalho, com os vizinhos ou em qualquer outro lugar. Segundo os Princípios da ONU, você empodera uma mulher quando:

1 – Estabelece liderança corporativa de alto nível para a igualdade de gênero. Se você trabalha em cargo de liderança, é seu papel promover, apoiar e fortalecer mais mulheres para cargos de liderança.

2 – Trata todas as mulheres e homens de forma justa no trabalho – respeita e apoia os direitos humanos e a não discriminação. Paga os mesmos salários, garante que as políticas e práticas do ambiente de trabalho estejam livres de discriminação com base em gênero.

3 – Garante a saúde, segurança e bem estar de todos os trabalhadores, homens e mulheres. Estabelece uma política de tolerância zero a todas as formas de violência no trabalho, incluindo verbal e/ou física e prevenir assédio sexual.

4 – Promove educação, treinamento e desenvolvimento para as mulheres. Investe em políticas e programas do local de trabalho que abram caminho para a promoção das mulheres em todos os níveis e áreas do negócio, bem como estimula as mulheres a entrar em campos de trabalho que não os tradicionais, Tecnologia da Informação, por exemplo.

5 – Implementa desenvolvimento empresarial, cadeia de fornecimento e práticas de comercialização que deleguem poder às mulheres. Contrata serviços de empresas geridas por mulheres, incluindo pequenas empresas, e mulheres empresárias. Respeita a dignidade das mulheres em todos os materiais de marketing e outros da empresa.

6 – Promove a igualdade através de iniciativas e defesa comunitária. Alavanca influência, sozinho ou em parceria, para defender a igualdade de gênero e colaborar com parceiros, fornecedores e líderes da comunidade para promover a inclusão. Promove e reconhece a liderança e contribuições das mulheres em suas comunidades e garantir a representação suficiente das mulheres em qualquer consulta comunitária.

7 –  Divulga publicamente as políticas da empresa e plano de implementação para promover a igualdade de gênero. Assim, mais empresas podem aprender e se inspirar nos seus Planos e levar o empoderamento feminino para sua organização.

Praticar o Empoderamento Feminino é papel de todos, homens e mulheres. Olhe ao seu redor, quantas mulheres da sua equipe ou da sua empresa precisam ser empoderadas? Quantas poderiam estar desenvolvendo resultados incríveis para a empresa e para ela mesma se tivesse mais suporte? Está nas minhas e nas suas mãos promover a igualdade de gênero e o potencial que todos podem expressar. Empodere!

Monique Gomes é jornalista freelancer, blogueira, cinéfila, isenta de glúten e certificada em Marketing de Conteúdo pela Rock Content.

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 143 outros seguidores

Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s