Precisamos falar sobre a agressão moral no amor e no trabalho

Palavras ofensivas, atitudes depreciativas repetitivas que causam danos à integridade física ou moral do outro são consideradas assédio ou agressão moral.

É um fenômeno psicológico que está presente não apenas nos relacionamentos pessoais, mas no ambiente de trabalho nas relações entre patrão/empregado.

Muitos homens e mulheres que sofrem esse tipo de agressão no relacionamento amoroso não se dão conta do problema pois, ao longo do tempo, a vítima passa a acreditar veementemente que é inferior.

É que ela sucumbe às palavras discriminatórias e humilhantes. As consequências são várias, como sofrimento, baixa autoestima, depressão, etc.

Insegurança, inveja do sucesso do outro, ciúmes. São vários os motivos que levam o companheiro a maltratar psicologicamente o outro.

Geralmente são palavras que, segundo relatos, machucam muito mais que a própria agressão física, pelo fato de provocar um profundo abalo emocional.

No ambiente profissional, os efeitos da agressão moral são bem semelhantes, com exceção de algumas particularidades.

Quando de fato ela ocorre no local de trabalho, provavelmente existe o entrave da hierarquia social que deveria existir apenas para organização administrativa, nunca como abuso de poder.

As consequências são catastróficas e comprometem totalmente a qualidade de vida dos colaboradores, que se enquadram no rol dos oprimidos, bem como a qualidade do trabalho, com a perda da motivação.

As relações interpessoais, tão importantes para a convivência saudável dos colaboradores e crescimento da empresa, deveriam ser melhor trabalhadas em nível de palestras ou cursos de capacitação.

Existem locais de trabalho onde os conflitos são constantes, gerados por conversas paralelas ou fofocas feitas por pessoas maliciosas que têm prazer em censurar a atitude do colega.

Certamente, muitos conflitos acontecem porque o ser humano é repleto de imperfeições.

Ciúmes, inveja, complexos de inferioridade ou superioridade, vaidade excessiva, arrogância, mediocridade, enfim, todos têm que conviver com os próprios fantasmas e lidar com o fantasma dos outros, mas, sobretudo, deveria prevalecer o respeito mútuo e o profissionalismo.

As mulheres, em especial, têm que ser parceiras, se ajudar.

Uma vez que compartilham a mesma dor e alegria de ser mulher, precisam ser mais cúmplices porque têm mais semelhanças que diferenças. Mas quando o local de trabalho é hostil nesse sentido? É importante lembrar que não estamos competindo umas com as outras!

Nós, humanos, deveríamos dedicar mais tempo a observar os animais. As formigas trabalham em um sistema de coletividade. Cada uma segue a fila carregando o que pode – muitas nem parecem ter a capacidade para carregar tamanho peso porque estão dando o melhor de si, são comprometidas com a labuta.

Até que a ciência prove que no ambiente de trabalho das formigas existem aquelas que fazem ‘fuxico’ ou traem a confiança da outra, elas serão infinitamente
melhores que nós…

Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s