Pular para o conteúdo

Beau tem medo: final explicado

Beau Tem Medo (Prime Video/2023) é um daqueles filmes que faz você vivenciar o conflito junto com o personagem.

A sensação chega a ser perturbadora no momento em que Beau (Joaquim Phoenix) embarca em uma jornada tortuosa para chegar em casa para o funeral da mãe.

Ele é surpreendido por uma série de obstáculos cada vez mais assustadores, desde chaves de casa perdidas até um veterano do Exército perturbado com a intenção de caçá-lo.

Mas os desafios físicos são agravados por barreiras psicológicas: a sua indecisão e insegurança generalizadas, e uma sensação incômoda de que é o culpado.

Num filme de Ari Aster, a coisa mais certa que pode acontecer é você perder a cabeça. Não literalmente, é claro, embora o autor de Midsommar goste de cortar o pescoço de alguns personagens.

>>> O que você vai ler neste post:

  • Do que Beau tem medo?
  • Beau tem Medo FINAL EXPLICADO
  • Beau tem Medo Explicação
  • Beau tem medo de estranhos
  • Beau tem medo de morrer fazendo sexo
  • Beau tem medo da mãe, Mona
  • Beau tem medo de morrer fazendo sexo
  • Vale a pena assistir?

Do que Beau tem medo ?

Beau Wasserman, um homem neurótico, embarca em uma jornada alucinante para chegar em casa. Ele perde o voo, é trancado do lado de fora do apartamento por uma multidão de moradores de rua.

Tenho esse sonho recorrente – um pesadelo, na verdade – em que estou tentando ir a algum lugar, devo estar lá, simplesmente devo, mas as pessoas continuam me atrasando e não importa o que eu faça, não consigo fazer nenhum progresso . É terrível. Eu odeio isso“, narra o personagem.

Ele é atacado por um intruso, um policial e um assassino na rua e, para piorar, é atropelado por um food truck. Ao acordar da experiência traumática, se encontra na casa de um casal que tem uma filha que luta com pensamentos suicidas e um veterano de guerra volátil. E assim por diante.

Ah, e antes que me esqueça, alguns ou nenhum desses eventos podem realmente não ter acontecido e nosso protagonista pode estar apenas imaginando tudo isso. Há muita ambigüidade no filme e uma qualidade onírica em tudo que não se dispersa nem no final.

Beau Tem Medo FINAL EXPLICADO

Cena do filme de Ari Aster Beau Tem Medo com FINAL EXPLICADO para o Blog da Monique

Se você deseja compreender verdadeiramente “Beau Tem Medo”, é importante ter em mente duas considerações principais. Primeiro, há a promessa contida no título: este é um filme sobre um indivíduo chamado Beau, e ele está dominado pelo medo. Não um medo específico, mas um medo de natureza caótica e multidirecional.

A segunda é que esta obra representa uma versão espelhada da clássica jornada do herói. No formato tradicional, a jornada do herói é um arquétipo narrativo para um tipo específico de história clássica com revelações no final.

O filme começa com o nascimento de Beau, apresentado como um momento de perplexidade do ponto de vista do bebê. Embora seguro e tranquilo no útero de Mona, o ato de surgir no mundo é tão aterrorizante que ele sequer consegue chorar.

Beau adulto teme muitas coisas, e seu psiquiatra (interpretado por Stephen McKinley Henderson) faz pouco progresso, prescrevendo uma “nova droga legal” para a ansiedade, a ser tomada com água, obrigatoriamente.

O sombrio apartamento de Beau é ruidoso e sujo, e ao lado da TV onde ele assiste noticiários angustiantes, há uma pilha de livros com títulos como “Você Nem Sempre Precisa Viver Assim”.

Cartazes nas portas alertam sobre uma aranha marrom reclusa, terminando de forma espetacular com uma citação de Winston Churchill: “O preço da grandeza é a responsabilidade”. O local é lamentável. A água não flui.

Beau Tem Medo Explicação

Numa das primeiras indicações de que esse mundo não é o que parece ser, Beau adormece na noite antes de voltar para casa para visitar sua mãe.

Ao acordar, encontra um bilhete sob a porta, educadamente solicitando que abaixe o volume da música, embora ele não esteja tocando nada (Beau não é realmente do tipo que ouve rock à noite). Ele próprio não consiga ouvir música tocando.

Notas aparecem durante a noite, cada vez mais agressivas, até que Beau, de repente, escuta a música – que ainda não vem de sua casa. Ele se encolhe debaixo das cobertas, tapando os ouvidos, esperando que tudo desapareça.

Naturalmente, ele acaba dormindo demais.

Esse é o ciclo repetitivo de Beau Tem Medo: algo estranho acontece, e em vez de enfrentar a situação, Beau simplesmente se esforça, pagando um preço mais alto por sua falta de coragem do que estritamente necessário.

A abordagem de Aster vira esse conceito de cabeça para baixo. A forma como Beau se desintegra no caos é o que o torna tragicômico. É engraçado e confuso, e é isso que o torna notável.

Beau tem medo de estranhos

Depois de dormir dois dias seguidos, Beau acorda na casa de Grace e Roger, e nesse momento você pode estar começando a suspeitar um pouco do que vai acontecer. Eles parecem legais, mas as coisas na casa deles parecem meio estranhas. 

Há um santuário para um filho morto em combate em Caracas – um verdadeiro herói – cujo perturbado amigo Jeeves (Denis Menochet), também um herói (como costumam dizer a ele), mora nos fundos. 

Como se estivesse preso em um papel ridículo, Beau foi colocado no quarto de sua filha adolescente Toni (Kylie Rogers), com cartazes com tributos a boy bands de K-pop, em vez do quarto vazio de seu filho. E Toni está chateada com isso. 

As dicas que ela dá sugerem que Grace e Roger estão tentando adotar Beau, um homem que obviamente não tem idade para adoção. O sentimento é de estranheza total porque estamos na mente de Beau.

Beau tem medo de morrer fazendo sexo

Enquanto Beau observa os preparativos para o funeral de Mona, Elaine chega um pouco embriagada. Nosso protagonista fica chocado ao vê-la. “Você trabalhava para ela?”, Beau pergunta. “Sim, até a semana passada.”

Após algumas trocas estranhas, Beau a beija. Ela retribui e sugere que entrem. Assim que o fazem, a atitude dela se torna muito concisa e profissional. (“Quarto. Onde?”) Ela retira uma camisinha.

Os dois fazem sexo na cama de Mona e, quando Beau está prestes a atingir o clímax, começa a entrar em pânico, lembrando-se da maldição dos homens de sua família que morrem após o orgasmo.

No entanto, é tarde demais. “Eu realmente senti isso”, suspira Elaine. “Isso foi intenso. Você acabou de explodir tudo.” Beau fica aliviado ao perceber que, de fato, não morreu. Mas então Elaine atinge o orgasmo e imediatamente fica congelada e morta.

Não é o orgasmo do homem que mata; é da mulher. Poderia ser essa a fonte do ressentimento de Mona em relação a Beau e sua linhagem? De qualquer forma, os medos de Beau em relação ao sexo e à morte se concretizaram.

Beau tem medo da mãe, Mona

A mãe de Beau não só está viva, como também assistiu a tudo isso. “Você não parece muito feliz em me ver. Eu estava morta há apenas um minuto”, diz ela de forma passivo-agressiva.

Funcionários entram e levam o corpo de Elaine embora (em outro toque absurdo, o corpo está congelado no meio). Beau revela que sabia que Mona não estava morta quando viu as mãos do cadáver sem cabeça no caixão: uma marca de nascença reveladora as identificou como pertencentes à sua ex-babá Marta.

Por que Mona fingiu que estava morta? Aparentemente, para descobrir o quão pouco Beau se importava com ela. É uma mãe tóxica, narcisista.

Subitamente, ela despeja uma série de acusações bizarras contra ele, incluindo o fato de ter se recusado a ser amamentado quando bebê e de ter dado a ela o mesmo CD da trilha sonora de For the Boys por dois anos consecutivos.

Mona insiste que ele mentiu sobre a perda das chaves. Em seguida, reproduz fitas das sessões psiquiátricas de Beau. (“Durante o processo de desmame, ela interpretou suas demonstrações de autonomia como uma traição”, diz o psiquiatra em uma das declarações mais diretas do filme sobre o tema.)

Acontece que o psiquiatra de Beau também trabalhava para sua mãe, assim como praticamente todos os outros no filme.

Reveja a cena do sótão com o monstro-pênis gigante. Depois, Mona diz a Beau que desistiu de muitas coisas para trazê-lo ao mundo e que teve que extrair todo o amor de si mesma.

Ela afirma que passava cada minuto do dia se preocupando com ele, se ele estava seguro e alimentado. (Esta cena é dominada por uma enorme estátua de mãe e filho ao fundo, uma imagem que aparece ao longo do filme.)

Beau, perturbado, começa a sufocá-la – e então, chocado, para e a deixa ir. “Sinto muito”, diz ele. Ela olha para ele sem acreditar e então, como se tivesse sido abatida por suas intenções e não por suas ações, ela cai e quebra uma vitrine de vidro, morrendo instantaneamente.

Vale a pena assistir?

Como você pode ver, esse filme não agradará a todos, mas se você gosta de ver sua mente desafiada, prepare-se para um passeio selvagem.

Parafraseando uma citação popular de Forrest Gump, Beau Tem Medo é como uma caixa de chocolates, exceto que alguns desses chocolates estão cheios de pavor existencial.

Ele testa a paciência dos espectadores com a duração de quase três horas, mas para aqueles dispostos a investir seu tempo e atenção, oferece uma experiência altamente gratificante.

Não é preciso dizer, mas a atuação de Phoenix é uma coisa hipnotizante. Com uma vulnerabilidade desprotegida, ele captura a turbulência interna do personagem com uma autenticidade rara.

A atenção exclusiva de Ari Aster aos detalhes é evidente em cada quadro do filme. Mesmo as sequências aparentemente aleatórias revelam-se, após um exame mais detalhado, meticulosamente elaboradas e encenadas artisticamente.

Beau Tem Medo prospera no caos controlado, misturando elementos de imprevisibilidade com uma visão deliberada. A cinematografia é sensorial e captura o desespero que permeia a narrativa.

Aproveite para ler também:


Por Monique Gomes

Empreendedora digital, copywriter,
analista de SEO on-page, gestora de tráfego.