Pular para o conteúdo

Referências às obras de Poe na série A Queda da Casa de Usher

O que significa adaptar Edgar Alan Poe para a era moderna? A Queda da Casa de Usher, série de Mike Flanagan na Netflix, certamente tem pouco a ver com o conto, mas ainda assim é uma homenagem ao autor.

Ao longo de oito episódios, Roderick Usher (Bruce Greenwood) explica ao procurador-assistente dos EUA, Charles Auguste Dupin (Carl Lumbly), como cada um de seus seis filhos morreu nas últimas duas semanas.

Os personagens levam o nome de um personagem de Poe e têm o próprio episódio, correspondendo aproximadamente a uma história famosa. Mas dentro de cada uma, há também muitas outras referências.

Referências a Poe na série A Queda da Casa de Usher

Confira as referências ao mestre Edgar A Poe.

Episódio Um: “A Midnight Dreary”

Aqui, não há muito da história original além do foco em dois gêmeos chamados Roderick e Madeline Usher e o cenário atual de sua decadente casa de infância.

Mas Dupin desempenha o papel de narrador anônimo da história: ele está aqui para ouvir as histórias e reflexões de seu velho amigo (e atual inimigo) Roderick, que pode ou não ser louco.

O flashback da ressurreição de Eliza Usher (Annabeth Gish) durante a tempestade (após um enterro para evitar intervenção médica) também lembra muito o clímax da história original, embora nesse caso fosse Madeline.

Episódio Dois: “A Máscara da Morte Vermelha

Essa parece uma atualização moderna e criativa da história original. Originalmente, Próspero era um príncipe que organizou um baile de máscaras para entreter os outros 1.000 nobres em quarentena.

O objetivo era se esconder de uma praga mortal. No final, eles morreram de qualquer maneira, mortos pelo contato com a Morte Vermelha – que entrou sorrateiramente usando uma máscara de caveira e um manto vermelho.

No programa, a ironia é sublinhada: o antigo lixo tóxico não tratado da família volta para matar um dos seus através da chuva ácida.

Parece apropriado para Poe, mesmo em um contexto contemporâneo – e a presença de Verna usando a máscara e o manto da Morte Vermelha fornece outra boa referência.

Episódio Três: “Os Assassinatos na Rua Morgue

A história original é frequentemente considerada a primeira ficção policial já publicada, apresentando Dupin e seus maravilhosos dons de “raciocínio”, um método que mais tarde inspirou detetives de ficção como Hercule Poirot e Sherlock Holmes.

Mas este não é um grande episódio para Dupin, que de qualquer maneira não faz muito trabalho de detetive na série. Em vez disso, nos concentramos em Camille L’Espanaye (Kate Siegel), uma das duas vítimas da história original, na qual ela e a mãe são famosamente mortas por um orangotango em fuga.

Aqui, ela morre enquanto procurava sujeira nas instalações onde sua irmã Victorine (T’Nia Miller) faz experiências com chimpanzés. Um deles a ataca brutalmente, o que certamente reproduz a horrível cena do crime deixada pelo macaco da história original.

Episódio Quatro: “O Gato Preto

De volta a outra interpretação (relativamente) fiel: Plutão, gato preto de Napoleão “Leo” Usher (Rahul Kohli), tem o mesmo nome do gato da história, cujo olho o narrador anônimo arranca enquanto está bêbado.

Mais tarde, ele mata o gato e o substitui por um gato de aparência semelhante – apenas para o novo gato ficar preso nas paredes com a esposa que matou, levando a polícia a descobrir a verdade.

Não há assassinato de esposa na versão do programa sobre o material (mas há muitos mais animais mortos), e os eventos mudam; a repugnante arrancada do globo ocular vem depois, com o substituto de Plutão.

Tal como acontece com outras histórias, essa foi ajustada para terminar em morte em vez de prisão, mas é basicamente a mesma história de terror distorcida sobre os perigos do alcoolismo, com um machado trocado pelo martelo de Thor.

Episódio Cinco: “O Coração Revelador

A culpa de um narrador anônimo por matar um velho inocente começa a se manifestar como um batimento cardíaco cada vez mais alto.

Aqui, uma cientista que trabalha em uma nova válvula cardíaca revolucionária mata a namorada com um suporte de livro depois que ela ameaça expor os registros falsificados de Victorine e outros crimes.

Após o assassinato, ela começa a ouvir um barulho distinto – que se revela ser a pinça em torno do coração da pobre moça, ainda batendo artificialmente.

É possivelmente o ângulo mais estranho e distinto da série sobre a história de Poe. E esfaquear-se para substituir o coração para seu estudo é uma lógica de pesadelo deliciosamente perturbada.

Episódio Seis: “Goldbug”

Aqui está outro que realmente compartilha um nome com a história original, sobre um homem excêntrico cuja descoberta de um inseto dourado parecido com um escaravelho o leva a uma caça ao tesouro.

A história gira em grande parte em torno da criptografia e ajudou a popularizar os criptogramas. Mas não há nada disso na versão do programa, que apenas empresta o nome “Goldbug” para a empresa de bem-estar de Tamerlane.

Episódio Sete: “O Poço e o Pêndulo

O narrador passa a história original trancado em uma cela escura durante a Inquisição Espanhola, esperando que um pêndulo afiado acima dele o alcance lentamente e o mate.

Ele consegue escapar, mas nosso Frederick não consegue escapar tão facilmente – e embora ele esteja preso no antigo prédio onde morre, os efeitos paralisantes da beladona têm o mesmo propósito.

A cauda oscilante do relógio-gato no flashback de abertura também prenuncia esse destino. “A Cidade no Mar” Verna recita esse poema de Poe sobre uma cidade governada pela Morte.

Episódio Oito: “O Corvo”

O poema é explicitamente citado durante a sequência estendida quando Verna mata Lenore – encerrando a linhagem de Usher – e o corvo visita para ver Roderick sofrer por ela.

O final termina com ela também empoleirada na lápide enquanto recita “Espíritos da Morte”. Ah, e a famosa palavra repetida de “O corvo” finalmente aparece na forma de textos.

No final de A Queda da Casa de Usher mostra Madeline escapando do túmulo para se vingar de Roderick durante uma tempestade intensa que finalmente derruba a casa decrépita. Dupin consegue se entender bem, como o narrador anônimo, e recita as últimas linhas da história macabra.

Aproveite para ler também:


Por Monique Gomes

Empreendedora digital, copywriter,
analista de SEO on-page, gestora de tráfego.