Pular para o conteúdo

Poeta denuncia discurso de ódio em nome da fé

Revista de Entretenimento

Em uma decisão recente, a Justiça determinou a remoção de um vídeo discriminatório nas redes sociais onde um pastor nacionalmente conhecido incitava violência contra a população LGBTQIA+.

Na sua forma mais familiar, o discurso de ódio afirma que os membros de um grupo X ou Y são menos humanos ou menos dignos do que outros ou que partilham uma característica perigosa ou indesejável.

O que é discurso de ódio?

Simplificando, discurso de ódio é qualquer expressão de ódio discriminatório contra pessoas com base num aspecto particular da sua identidade.

Isso é especialmente perigoso quando procura incitar as pessoas à violência contra grupos marginalizados. A prática é capaz de levar as pessoas a sentirem que a própria dignidade está constantemente sob ataque, causando potencialmente danos psicológicos.

O discurso de ódio pode assumir várias formas: escrita, não verbal, visual, artística, etc, e divulgada em qualquer meio de comunicação, incluindo internet, imprensa, rádio e televisão.

O Poeta Toma a Pólis

Livro O Poeta Toma a Pólis, do autor Teófilo Tostes Daniel, fala sobre discurso de ódio em nome de Deus.
Confira sinopse

O poeta Teófilo Tostes Daniel explora o uso da religião para disseminar ódio em seu livro de poemas “O poeta toma a pólis”, questionando a liberdade de expressão versus os limites do discurso de ódio.

No poema “Se eu acreditasse num deus”, o autor expressa a incapacidade de crer em uma divindade que não acolhe a diversidade humana.

A obra traz à tona o tema dos usos da crença, condena discursos de ódio em nome de Deus, aborda todas as formas de amor em apoio à comunidade LGBTQIA+ e sua luta constante.

Esse tema está presente já no poema de abertura do livro, intitulado “É urgente espalhar amor”, que chama a atenção para o fato de que:

“são tempos miseráveis / aqueles em que o amor / é motivo de escândalo e perplexidade, / e o ódio, / aplaudido de pé, / se alastra como uma praga / na boca e nas mãos de tantos / e na morte e no massacre / de quem ousa ser, / mesmo que involuntariamente, / o Outro.”


Ao explorar a interseção entre religião, amor e ódio, Teófilo Tostes Daniel nos lembra da responsabilidade de questionar as narrativas que perpetuam a intolerância.

A poesia, nesse contexto, não é apenas uma forma de expressão, mas também uma ferramenta de resistência e transformação.

Ela nos convida a repensar nossas crenças e ações, buscando construir um mundo onde a diversidade seja celebrada e a empatia prevaleça.

“O poeta toma a pólis” é mais do que um livro de poemas; é um chamado à reflexão e à mudança, inspirando-nos a construir um futuro mais inclusivo e humano.

Aproveite para ler também:


Por Monique Gomes

Empreendedora digital, copywriter,
analista de SEO on-page, gestora de tráfego.

Você ainda baixa filmes na internet?

5/ 5 (3 classificação)

O Roku Express é a maneira mais fácil e barata de transformar sua TV em Smart TV de verdade. Basta plugar e ativar pra você ter acesso a milhares de filmes e séries.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *