Minhas impressões sobre o filme Nós(2019), de Jordan Peele

Primeiramente, BEU TEUS!!! O QUE FOI ISSO PELOAMORDEDEUS.

De vez em quando é bom sair da zona de conforto e ver um gênero de filme diferente daquele que a gente tá acostumado. É útil pra alimentar o nosso poder criativo.

Claro que quando temos novas ideias não associamos à matéria-prima, tipo: ah, tive essa ideia porque vi o filme tal, no dia tal. Não.

A criatividade é espontânea. Se a gente assistir sempre aos mesmos gêneros, ler sempre os mesmos autores e etc ficamos presos numa bolha.

A internet já faz isso com a gente o tempo todo: os algoritmos sugerem os conteúdos de acordo com o que costumamos ver com mais frequência. Aí ficamos presos.

A chegada de NÓS, de Jordan Peele, tava causando uma enorme expectativa até por conta da obra anterior: Corra!, de 2017, que ganhou Oscar na categoria de Melhor Roteiro Original. A história de Corra! gira em torno do relacionamento de um homem negro com uma mulher branca. O casal se dá super bem e segue em viagem para visitar os pais da moça. Até que a coisa acaba ficando bizarra em nível hard, digna de Black Mirror.

Trabalhar com protagonistas negros é uma marca desse autor. Em NÓS, uma família vai passar o fim de semana na praia, mas se torna refém de um grupo misterioso com a aparência igualzinha a deles. Lupita Nyong’o tá brilhante no papel, como sempre.

A primeira cena que me deu medão foi a aparição da família the mônia do lado de fora da casa (vou chamá-la assim só pra diferenciar, pois não são demônios, mas cópias perfeitamente idênticas dos protagonistas).

Não foi exatamente a aparição deles, mas a forma como cada um se mexeu para partir pro ataque, em especial o menino the mônio que sai correndo de cócoras.

MAIS MEDÃO NO MEIO DO FILME: Tive pavor só de pensar que um dos the mônios podiam trocar a roupa dos garotos humanos para confundir os pais. Assim, os próprios pais matariam os filhos por engano. BEU TEUS, QUE AFLIÇÃO.

O filme teve alguns momentos engraçados. Dei uma gargalhada quando a família humana entrou no carro e a menina assumiu a direção.

A mãe questionava quem deveria dirigir, mas ela mesma estava com as mãos algemadas e o pai com a perna machucada.

Houve uma discussão e o argumento que a menina usou para ganhar a briga foi o fato de que ela matou mais the mônios que os outros hahahahahaha.

Na cena em que as duas mães estão conversando, lá no final, antes da revelação mais bombástica da história (era por isso que a menina parecia tão traumatizada), a the mônia mãe diz umas coisas, entre elas: “SOMOS HUMANOS TAMBÉM, SABIA? TEMOS OLHOS, DENTES, MÃOS, SANGUE, EXATAMENTE COMO VOCÊS”.

É notória a alfinetada que Jordan Peele traz nos discursos contra o racismo.

Você pode até não gostar desse filme. Afinal, quase todo terror tem perseguição e assassinato. Entretanto, quantos filmes desse gênero você assistiu com protagonistas negros sendo perseguidos pelas cópias deles mesmos? Nenhum. É por essas e por outras que, na minha opinião, essa obra só poderia ter sido criada por um gênio. Simples assim.

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s