Ressalvas no caso Valesca

popozuda

Todos nós acompanhamos o caso do professor que usou um trecho da música Beijinho no Ombro, da cantora Valesca Popozuda, em uma questão na prova de filosofia. O assunto bombou nas redes sociais, foi notícia em alguns jornais e eu questionava: cadê a fala do professor? Enquanto ele não se pronunciava, fiquei na torcida que ele revelasse o motivo daquela questão pelo mesmo fato que me motivaria a fazê-lo.

Na condição de professora, eu teria colocado uma questão como aquela para destilar o meu sarcasmo. É, seria um protesto, uma lição de moral, caso meus alunos fossem desatentos, desinteressados. Seria como uma espécie de código que, descodificado, ficaria assim: ”Vocês não prestam atenção nas aulas, mas duvido que errem uma pergunta dessa, seus merdinhas!”.

Como diz Maria Rita, ‘só quem ardeu na fogueira sabe o que é ser carvão’. Os professores sabem o quanto é difícil manter a atenção dos alunos durante todo o tempo da aula – esse tema é complexo, mas, resumindo: a educação precisa urgente de um upgrade similar ao do novo estúdio de redação do programa Fantástico, da rede globo. Pois bem, quando o bendito professor finalmente foi entrevistado, veio a decepção. Aquele papo de que foi proposital pra chamar a atenção da imprensa, da questão do preconceito contra o funk, pura balela. É muito mais cabível que ele tenha feito isso pelo mesmo motivo que eu faria, mas ficou com vergonha de declarar.

Ora, se está na boca do povo, é cultura. Mesmo que inútil. Se o professor achar que deve levar para a sala de aula é porque o assunto tem potencial para render um caloroso debate, mas não foi o que aconteceu. Tudo isso só serviu para vender a música de uma pseudofeminista – uma verdadeira feminista não sai por aí chamando uma mulher de inimiga, invejosa, periguete,recalcada, entre outros rótulos pejorativos.

Não tenho nada contra as popozudas – até porque o meu não é tão pequeno… mas o fato é que, ainda que exista um mérito pela criação de um conceito sobre o termo ‘beijinho no ombro’ e por mais efêmero que isso seja, os verdadeiros “pensadores contemporâneos” são, segundo o Pai Google, os compositores Wallace Vianna, André Vieira e Leandro Pardal – o que faz de Valesca uma mera emissora. É mais ou menos como atribuir uma citação de Clarice Lispector a Gretchen…

E outra… vivemos aterrorizados com tanta violência, bala perdida, bala com endereço certo, incêndio em ônibus… por que engrandecer uma música na sala de aula que fala “Bateu de frente é só tiro, porrada e bomba”, desprezando o potencial que essa mesma música teria em um debate sobre os caminhos que devemos trilhar para uma cultura de paz?

Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s